A troca, o susto, o choro e a cobrança que deixaram o Comerário mais especial

Fernandinho vestiria a camisa 15 e sentaria no banco de reservas do Operário não fosse pela lesão de Daniel, sentida no aquecimento antes do clássico de domingo (3), com o Comercial.

Mas o santo de Fernandinho é forte. Trocou a 15 pela 11 que vestiria Daniel e, com o novo número nas costas, o paulista de Rio Claro marcou o gol da virada e sofreu o pênalti que culminou no terceiro e último gol do 3 a 1 operariano sobre o maior rival. Mesmo improvisado, foi o melhor jogador da partida.

Fernandinho que havia saído do banco de reservas para ampliar o marcador na estreia, contra o Corumbaense, quando o Carijó ameaçava pressão.

Fernandinho com o qual o Operário já não contava, pois dava como certa sua ida para o futebol boliviano.

Fernandinho precisa ser titular da equipe comandada por Arilson Costa.

Quem não deve ser titular por pelo menos 20 dias é Murilo, do Galo. Não porque perdeu a bola que acabou no fundo das redes de Jota após Hyago roubá-la e passá-la para Renato Maceió marcar.

Pouco depois da falha, o lateral-direito assustou quando caiu no gramado no fim do primeiro tempo.

murilo-operário-anderson-ramos-divulgação-ofc

Murilo deixou gramado do Morenão de ambulância (Foto: Anderson Ramos/Divulgação OFC)

Murilo desabou no gramado, chacoalhando a perna, após nova dividida com Hyago. Um amigo jornalista chegou a alertar os paramédicos atrás do gol para a possibilidade de convulsão.

As travas da chuteira do jogador comercialino causaram um corte profundo no tornozelo de Murilo, que deixou o campo de ambulância.

O lateral foi atendido dentro do estádio. De curativo na perna, Murilo foi abraçado e consolado pelos companheiros de time ao término do clássico. E chorou.

Enquanto Murilo soluçava, o goleiro colorado Rodolfo esbravejava. Dizia que o Comercial sofreu um gol “infantil”, que um time “juvenil” não levaria.

Rodolfo se referiu ao gol de empate, derivado de uma cobrança de lateral. O goleiro ainda falou que a bola chutada por Jorginho estava em suas mãos, mas o capitão Fernando Prado desviou de cabeça e tirou a pelota de seu alcance.

Cobrou “o máximo de atenção” e avaliou que a equipe comercialina voltou “desligada” para o segundo tempo.

O arqueiro ainda alfinetou o árbitro Augusto Borges Ortega, que marcou pênalti cometido por ele em Fernandinho e convertido por Alberto.

“Tinha um grande árbitro, o Marcos Mateus, que poderia muito bem apitar essa partida”, sugeriu.

De casa ou mesmo do estádio, Marcos Mateus viu e provavelmente gostou do 190º Comerário.

A partida teria todos os elementos de um grande clássico se as arquibancadas do Morenão estivessem um pouco mais cheias. Foram 2,5 mil torcedores, cerca de um quinto da capacidade liberada do estádio.

RESULTADOS DA 5ª RODADA

Aquidauanense 0 x 2 Sete de Dourados
Operário de Dourados 0 x 2 Corumbaense
União/ABC 0 x 1 Serc
Urso 2 x 2 Águia Negra
Costa Rica 2 x 1 Novo

CLASSIFICAÇÃO

  Times P SG GP GC V D E J %
1   Águia Negra 13 13 17 4 4 0 1 5 87%
2   Costa Rica 9 -1 6 7 3 2 0 5 60%
3   Aquidauanense 8 0 5 5 2 1 2 5 53%
4   Comercial 7 0 5 5 2 2 1 5 47%
5   Serc 7 0 5 5 2 2 1 5 47%
6   Corumbaense 6 2 7 5 2 2 0 4 50%
7   Operário 6 1 5 4 2 1 0 3 67%
8   União/ABC 5 0 4 4 1 1 2 4 42%
9   Urso 5 0 4 4 1 1 2 4 42%
10   Sete 3 -3 2 5 1 2 0 3 33%
11   Novo 1 -2 3 5 0 2 1 3 11%
12   Operário-DD 0 -10 4 14 0 4 0 4 0%

Wilson come a bola no Comerário

Wilson dos Santos Januário, 23 anos, alagoano. Comeu a bola no Comerário, mas a fome só bateu no segundo tempo.

O camisa 7 operariano até tentou, ciscou e insistiu na etapa inicial. Nada feito. Parava na forte marcação comercialina. A pressão estava ali logo que a bola chegava em seus pés. O drible curto não saía. O disparo em velocidade empacava.

Jeferson Querino, volante do Comercial já apelidado de Mascherano, foi expulso no fim dos primeiros 45 minutos.

Wilson agradeceu a todos os Santos, inclusive a São Januário. Com um a menos do outro lado, o espaço que lhe faltava agora sobrava.

Minuto inicial do segundo tempo e o lateral-esquerdo Luiz Jorge encontra Wilson nas costas da zaga colorada. O alagoano escora de cabeça e Leandro Diniz completa, de peixinho. A torcida operariana gosta e sabe que, caiu na rede, é peixe.

Aos 11, Wilson inverte a jogada da direita para esquerda ao camisa 11, Igor, que vê a ultrapassagem de Eduardo Arroz e dá o passe. O volante cruza rasteiro e Wilson aparece para terminar o que começou.

Para fechar a conta, Wilson desempaca o disparo em velocidade pelo meio, rasga a zaga comercialina e, com toque de classe, encobre o goleiro Zé Augusto. Finalização perfeita para um lançamento magistral de Igor.

wilson-marcelo-ezoe

Golaço de Wilson encobrindo Zé Augusto (Foto: Marcelo Ezoe)

O gol de Rodrigo Ost em um chute preciso de perna direita – que não é a boa – serviu para mostrar que também há brilho do lado colorado.

Mas o Galo tinha Wilson que, fominha, tirou o alvinegro do jejum de nove anos sem vencer o maior rival.

Agora a sina se inverte: é o Comercial quem não triunfa sobre o Operário há um bom tempo – desde 2011.

Do estado onde Zumbi dos Palmares resistiu e lutou para libertar seus iguais da escravidão veio Wilson dos Santos Januário, que, como um mártir, libertou a torcida operariana do longo período sem vitórias no clássico.

Resultados do fim de semana

Sábado (18)
União/ABC 2 x 2 Chapadão – Grupo A
Corumbaense 1 x 1 Naviraiense – Grupo B

Domingo (19)
Urso 1 x 1 Sete de Setembro – Grupo B
Operário 3 x 1 Comercial – Grupo A
Costa Rica 1 x 2 Novo – Grupo A
Águia Negra 2 x 0 Ivinhema – Grupo B

Classificação do Sul-mato-grossense 2017

Grupo A P J V GP SG
1º Operário  9  4  3 10  7
2º Chapadão  6  4  1  7  1
3º União/ABC  5  4  1  7  -3
4º Costa Rica  4  4  1  6  -1
5º Comercial  4  4  1  6  -2
6º Novo  4  4  1  5  -2
Grupo B P J V GP SG
1º Corumbaense  7  3  2  4  2
2º Águia Negra  6  3  2  4  2
3º Urso  4  3  1  3  0
4º Ivinhema  3  3  1  2  -2
5º Naviraiense 2  3  0  3  -1
5º Sete de Dourados  2  3  0  3  -1