Morenão volta encarnado

Dia chuvoso e cinzento. Nada receptivo para uma reestreia. Mas a camisa encarnada do Comercial e o bom futebol de seus jogadores tratou de dar cor ao retorno do futebol ao Morenão, onde a bola não rolava desde abril de 2014.

Revitalizado, com parte das arquibancadas agora coloridas como a bandeira da Colômbia, o novo Morenão foi hostil ao Novo. Os comandados do interino Gilberto dos Santos pouco fizeram em campo. Caíram fácil na marcação forte, rápidas triangulações pelos lados do campo e investidas agudas do Comercial, arquitetadas pelo técnico Márcio Bittencourt.

Em uma dessas, Cafu lançou Danielzinho – clamorosamente impedido -, que entrou na área, cortou o marcador e passou para Glauber fazer o pivô ao camisa 10, Rodrigo Ost. Com um chute rasteiro, Ost reinaugurou as redes do gol do Auto Cine.

A arbitragem também ignorou quando o zagueiro e capitão comercialino, David, deixou a bola sair pela lateral. Jefferson aproveitou, roubou a redonda e invadiu a área para vencer o goleiro Martins.

Antes do intervalo, Glauber encontrou Danielzinho livre pela ponta esquerda, que cruzou rasteiro para Roger completar e recolocar o Comercial na frente.

Durante o intervalo, Maguila e Luan, respectivamente volante e atacante do Novo, se aqueceram sob a chuva. O prefeito Marquinhos Trad distribuiu sorrisos e apertos de mão nas cadeiras numeradas. No mesmo setor, o presidente do Operário, Estevão Petrallás, e seu diretor de marketing, Orlando Arnoud Junior, papearam. Talvez pensando em baixar o preço dos ingressos, já que as 2.483 pessoas no Morenão pagaram, em média, R$ 15, valor R$ 10 mais barato que a média dos bilhetes para a estreia do Galo.

Depois do intervalo, Maguila lançava Luan, que rabiscava pelo lado esquerdo. Em uma oportunidade, o atacante serviu Jhonatan e viu o colega de vestiário desperdiçar. Em outra, finalizou de primeira e viu Martins crescer e impedir o empate.

comercial-2-x-1-novo-29-01-2017-2

Comercialino Martins teve pouco trabalho sob as traves (Foto: Jones Mário)

A torcida comercialina gostou quando o centroavante Erik, mesmo com uns quilos a mais, entrou no lugar de Rodrigo Ost. Bittencourt gostou de Ost e cumprimentou calorosamente seu camisa 10. Já Ost gostou de jogar solto, flutuando no meio-campo e entrando na área. Segundo ele, foi assim que o professor pediu.

Seja pela chuva, seja porque o Novo tentava jogar, a partida ficou feia e o 2 a 1 permaneceu no placar. Placar, aliás, que segue sem funcionar no novo Morenão.

O Novo tentará se recuperar diante daquele que inspirou sua fundação: o Operário. Quem vier para assumir o comando do time terá bastante trabalho para fazer os 11 em campo se entenderem.

O Comercial viaja até Chapadão do Sul para encarar a Serc e deve voltar de lá com o dobro de pontos que soma hoje.

Quanto ao Morenão, vale lembrar: Comercial e Novo estrearam em 2015 para 476 testemunhas no Olho do Furacão, e, em 2016, diante de 1.121 aficionados nas Moreninhas. Os 2.483 torcedores (debaixo de chuva e em fim de mês) deste domingo deixam claro o quanto o gigante fez falta ao futebol local.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s