Por que Retranca?

Não, não sou nenhum fã de Celso Roth ou do catenaccio italiano. Longe disso. Gosto mais do 4-3-3 que mesmo os pequenos do Campeonato Holandês adotam, com pontas velozes e meio-campistas móveis e livres para encostar nos avançados. Retranca, que batiza esse humilde espaço, nada mais é que uma brincadeira com a palavra presente nos dicionários de duas das minhas maiores paixões: o futebol e o jornalismo.

Não é de hoje que ouço dos parceiros de profissão e dos amigos (que, na maioria das vezes, também são parceiros de profissão): ‘você deveria criar um blog, escrever sobre o que gosta, fugir da mesmice das redações, do hard news‘. Não é de hoje que eu respondo: ‘é verdade, preciso de um escape mesmo, de um espaço livre pra escrever as merdas que eu quiser’. Depois de muitas madrugadas ameaçando me aventurar por esse nebuloso mundo dos diários online, superar toneladas de preguiça e alguns quilos de “ninguém vai ler, pra que perder tempo”, tá aí, ou melhor, tá aqui! Essa é pra vocês que incentivaram e agora vão ter de me aguentar também por essas bandas (ou não, é só não acessar).

retranca total

No jargão jornalístico, “retranca” é uma palavra ou frase curta usada sobre o título da reportagem para apresentar ou antecipar o tema. No jargão futebolístico, é utilizada pra rotular um comportamento defensivo adotado pela equipe, na tentativa de não sofrer gols e segurar um resultado. Como a intenção desse canal é abusar dos recursos da escrita periodista para falar sobre futebol sob a ótica do fenômeno social legítimo que é – ultrapassando a barreira do placar, da análise tática -, nada mais engraçadinho que alcunhá-lo com uma expressão que transita nestes dois campos.

(Pensei em “Caneta” também, mas soou muito Thiago Leifert)

E quando digo “abusar dos recursos”, quero dizer isso mesmo. Quem insistir em acessar esse blog vai/deve ler reportagens, entrevistas, crônicas, comentários, artigos. Serão produtos de uma equação na minha cabeça cujas variáveis envolvem criatividade, (falta de) assunto, disposição, quantidade de café consumida e teor alcoólico no sangue.

Se você acredita em imparcialidade jornalística tem todo direito de ser são-paulino fanático e gostar de M1TO, mas aqui não vai rolar isso, não. O Retranca (pronto, já incorporei o espírito blogueiro) só será isento de opinião quando este que escreve realmente não souber “de que lado samba”.

Enfim, textos de apresentação são chatos mesmo, mas necessários. Pra quem manja das técnicas de jornalismo, digamos que esse primeiro post foi um lead. Pra quem manja mais de futebol, foi como os primeiros dez, quinze minutos de um jogo decisivo, quando as equipes apenas se estudam dentro de campo.

Fica o convite para quem quiser colar por aqui de vez em quando, ler umas bobagens, rir da minha cara ou tentar se identificar com alguma palavra, linha e, se eu tiver sorte, com o post todo.

Abraços!